Bienal São Paulo

As vozes dos artistas #1: o verso Faz escuro mas eu canto

The voices of the artists #1: the verse Though it's dark, still I sing

22 out/oct — 2020, 19h (UTC–03:00)

O encontro contará com interpretação simultânea em Libras e legendagem do inglês para o português.

The encounter will be simultaneously translated to English.

Participação mediante inscrição pelo formulário ao lado

Participation upon registration through the form on the right

Na série As vozes dos artistas, a curadoria da 34ª Bienal de São Paulo conversa com artistas brasileiros e estrangeiros da exposição sobre os enunciados da mostra – objetos com histórias marcantes e em torno dos quais as obras serão distribuídas na exposição, sugerindo leituras poéticas multifacetadas.

In The voices of the artists series, the curators of the 34th Bienal de São Paulo talk with the exhibition's participant artists, from Brazil and abroad, about the statements of the show – objects with remarkable histories around which the artworks are distributed in the exhibition, suggesting manifold poetic readings.

O primeiro encontro será dedicado ao título da exposição, Faz escuro mas eu canto, verso do poeta amazonense Thiago de Mello (Barreirinha, 1926) publicado em livro homônimo do autor em 1965. Desde sua primeira redação, entre 1962 e 1963, o verso já ganhou diferentes interpretações: de conclusão esperançosa do poema Madrugada camponesa ("faz escuro mas eu canto / porque a manhã vai chegar"), quando a promessa da reforma agrária e outros projetos progressistas parecia prestes a se tornar realidade, a sussurro de resistência nos piores anos da ditadura militar.

The first encounter will be dedicated to the title of this edition of the Bienal, Though it's dark, still I sing [verse by the Amazonian poet Thiago de Mello (b. Barreirinha, 1926)], published as a namesake book by the author in 1965. From its first version, written between 1962 and 1963, the verse has already acquired different interpretations: from a hopeful ending line of the poem Madrugada camponesa [Peasant dawn] ("Though it's dark, still I sing / because the morning will come") – when the promise of an agrarian reform and other progressive projects seemed about to come true in Brazil – to a whisper of resistance in the worst years of the military dictatorship.

Para entender que reverberações esse enunciado poético pode ter em nosso contexto atual, Jacopo Crivelli Visconti, curador geral da 34ª Bienal, e Paulo Miyada, curador adjunto, conversam em uma live com o artista convidado da edição Manthia Diawara (1953, Bamako, Mali), escritor, pesquisador de estudos culturais, diretor de cinema e acadêmico. Diawara escreveu amplamente sobre filmes e obras literárias que abordam a Diáspora Negra. Além da participação ao vivo de Diawara, o encontro trará entrevistas gravadas com as artistas Carmela Gross (1946, São Paulo, SP), Edurne Rubio (1974, Burgos, Espanha) e Zina Saro-Wiwa (1976, Porto Harcourt, Nigéria). Ao final, serão respondidas as perguntas do público.

To understand what kind of reverberations this poetic statement can have in our current context, Jacopo Crivelli Visconti, chief-curator of the 34th Bienal, and Paulo Miyada, adjunct curator, talk in a live stream with one of the invited artists of this edition, Manthia Diawara (1953, Bamako, Mali), writer, cultural studies researcher, film director and professor of comparative literature and cinema. Diawara has written widely about films and literary works approaching the African Diaspora. Besides the live participation of Diawara, this encounter will include recorded interviews with the artists Carmela Gross (1946, São Paulo, SP), Edurne Rubio (1974, Burgos, Espanha) e Zina Saro-Wiwa (1976, Porto Harcourt, Nigéria). At the end of the event, questions by the audience will be answered.

Inscreva-se ao lado para receber o link de acesso!

Register on the right to receive the access link!

Quer saber mais sobre o primeiro episódio de As vozes dos artistas? Clique aqui!aqui!

Do you want to learn more about the participants of the fist episode of The voice of the artists? Click here!

Nas quatro semanas seguintes ao Encontro, um minicurso gratuito aprofundará os temas abordados na live. Saiba mais aqui.

During the four weeks following the encounter, a free mini course will deepen the topics discussed in the live. Learn more here.

A série As vozes dos artistas faz parte de uma programação especial que a Fundação Bienal de São Paulo preparou como forma de desenvolver, aprofundar e ampliar os debates da 34ª Bienal de São Paulo. Além dos encontros, ações digitais como Studio visits / Visitas aos ateliês; Minicursos e Encontros internacionais / International Encounters integram o cardápio de atividades on-line oferecidas pela Fundação.

The voices of the artists series is a part of a special program conceived by the Fundação Bienal as a way of developing, deepening and widening the debates of the 34th Bienal de São Paulo. Besides the encounters, digital actions such as the Studio visits; Mini courses and International Encounters make part of the set of online activities offered by the Fundação.

Contamos com a sua participação! Para não perder nada, acompanhe a página da Bienal tá on e nos siga no Instagram, Facebook, Twitter e se inscreva aqui na nossa newsletter!

We count with your participation! Keep up with everything by following our Instagram, Facebook, Twitter and register here to receive the Bienal's newsletter!



Inscreva-se aqui! Register here!

  • Os dados coletados são utilizados unicamente para fins estatísticos internos, bem como para cumprir obrigação legal de prestação de contas | The collected data are only used for internal statistical purposes, as well as to fulfill a legal obligation of accountability.